Buscar
  • Escola Norio

Festa junina resgata cultura brasileira

Evento também destaca brincadeira e iguaria japonesa; envolvimento dos pais é outra característica da festa

No sábado, 29 de junho, aconteceu mais uma festa junina na Escola Roberto Norio. O evento é tratado, pedagogicamente, como uma festividade da cultura brasileira. “Trabalhamos músicas típicas, artistas, como o pintor Alfredo Volpi, culinária e a forma como a festa é comemorada nas diferentes regiões brasileiras”, conta Barbara Yuka, coordenadora do Ensino Fundamental.

Outra marca da festa, segundo a coordenadora, é o seu planejamento junto aos pais que fazem parte da APM (Associação de Pais e Mestres). “A participação deles é muito importante, não só para a realização do evento, mas também para o fortalecimento da relação escola-família. Essa proximidade faz com que eles entendam melhor como a escola funciona e também favorece o diálogo com os professores”, diz

“Os pais se dedicam bastante, ajudam na organização, cuidam da alimentação e dos prêmios, ficam no caixa das barracas e dão ideias para melhorar. Quando a família se engaja, a festa fica muito mais gostosa para todos”, afirma a coordenadora.

Uns dos momentos mais aguardados da festa são as danças típicas dos alunos — a turma do fundamental, com músicas country, e a do infantil, com a tradicional quadrilha. “As crianças se apresentam e depois abrimos para a participação das famílias e chamamos os pais para dançarem junto com as crianças”, descreve Yuka.

Os alunos também cuidam da decoração da festa, com pinturas, colagens e bandeirinhas produzidas nas aulas de artes. O 5º ano, por exemplo, fez uma arte na parede do pátio, que envolveu artes e matemática, pois todo o cálculo do espaço foi considerado na preparação da pintura.

Nas barraquinhas de comidas e bebidas, além de opções como churrasco, pastel, sanduíche de pernil, doces, quentão e vinho quente, o destaque é o Oniguini, tradicional bolinho de arroz japonês. Entre as brincadeiras, também há uma de origem japonesa, o Senbonbiki, uma espécie de pescaria-surpresa, em que há barbantes amarrados a diferentes prêmios, e a criança escolhe um para puxar, sem saber o que vai ganhar.

Uma parte do valor arrecadado na festa é usada para promover os eventos de final de ano na escola. “As crianças que vão participar do intercâmbio para o Japão também vendem doces para ajudar nas despesas da viagem”, conta a coordenadora.

#FestaJunina #culturabrasileira #culturajaponesa #Participaçãodospais #EscolaRobertoNorio

1 visualização0 comentário